Paradoxo na Publicidade Atual …

paradoxo na publicidade

Entendemos que o paradoxo na publicidade é o veículo para dialogar com pessoas e interagir com comportamentos e hábitos no desafio da comunicação atual …

Paradoxo na publicidade

Pensar em cada conteúdo e menos na estética!

Elaborar um plano de comunicação, não para o cliente mas para o ser humano!

Este é o grande desafio na publicidade atual!

Mas, alguns fatores surgiram e fizeram com que a publicidade, o marketing, o design e outras mídias de comunicação fossem repensadas e reformuladas para diálogo com o consumidor.

Ainda, percebemos dois fatores fundamentais interagindo – hoje em dia – profundamente neste novo entendimento: o trabalho colaborativo e a globalização.

Segundo Philip Kotler, ambos são pilares do mais atual modelo de gestão – do Marketing 3.0 – no qual o foco deixa de ser o cliente e passa a ser o ser humano como um todo.

Hoje o consumidor – antes de mais nada – é ativo e participativo.

Através de diversas ferramentes e redes sociais, o consumidor  participa, comenta e interage com suas redes, fortalecendo ou denegrindo sobre produtos ou marcas.

Esse consumidor plugado pesquisa e analisa todas as informações pertinentes – na internet- sobre determinado produto quando é objeto de seu desejo, trocando informações e obtendo “ajuda” em sua network com respostas imediatas e discutindo – colaborativamente – com formadores de opinião…

Publicidade é imagem

Quando qualquer marca comete uma “gafe” em relação a um produto, preços e/ou publicidade – não comprovada – isso torna-se imediatamente viral.

Por isso, a imagem e objetivos de qualquer empresa, devem ser pensados e tratados com cuidado neste universo sem fronteiras, onde a publicidade coexiste.

Quando associamos essa situação ao fator globalização, que interfere nos aspectos globais, regionais e locais, a preocupação é ainda maior.

No cenário globalizado presenciamos crises financeiras, taxas de desemprego, altos impostos, escândalos de corrupção e desvios de fortunas.

Também, são revelados pela mídia, países em guerras civis e imersos em extrema pobreza, países investindo bilhões em militarismo e indústrias que poluem o meio ambiente.

Portanto, devemos tratar esse paradoxo na publicidade com cuidado, combinando com as ferramentas poderosíssimas de compartilhamento nesta sociedade colaborativa.

Tudo isso, faz com que o consumidor se torne não só ativo, mas exigente com a relevância de conteúdo e comportamento de cada marca.

Uma empresa que utiliza mão de obra escrava.

Que não toma nenhuma iniciativa em preservar o meio ambiente.

E, faz uma leitura errada do comportamento de seu público.

E, também, usa a publicidade de forma apelativa e repetitiva, é amplamente criticada e ignorada neste contexto de sociedade plugada e participativa.

Publicidade é comunicação

Portanto, os fatos acima, fizeram com que a comunicação deixasse de ser um investimento isolado.

Eles se solidificam na estrutura do branding, interligada ao plano de negócios como representação da marca.

Por isso, o plano de comunicação tem que estar conectado aos princípios e essência da marca.

Estar alinhados ao tom de voz e diretrizes estratégicas.

E ainda, focado na criação de conteúdo relevante que faça sentido para o público-alvo.

Miles Young, CEO global da Ogilvy, uma das maiores agências do mundo, afirmou que a Ogilvy deixará de ser uma agência e se tornará uma Publisher.

Ou seja, as campanhas deixarão de ser prioridade e darão espaço a produção de conteúdo relevante.

Dessa forma, o perfil do novo profissional será semelhante ao de um jornalista.

O conteúdo deve ser a base de qualquer trabalho para esse perfil de consumidor-conectado-ativo …

O conteúdo deve ser relevante, analítico e não apelativo.

Estar integrado aos valores da marca e alinhados com aspectos sociológicos.

Pois, essa evolução é um reflexo do novo comportamento do consumidor.

Ele, portanto, configura o grande desafio deste paradoxo na publicidade como a conhecemos.

Pois,  no passado o trabalho se focava em campanhas, criação de logos, folders, flyers e demais projetos publicitários, mas agora merece cuidado e reflexão …

Conclusão

Os profissionais da publicidade – agora – precisam se reinventar tornando-se ativos, colaborativos e interativos.

Pois, a passividade não é mais uma característica desse novo consumidor.

Pensar em cada conteúdo e menos na estética.

Dessa forma, elaborar um plano de comunicação – não para o cliente – mas para o ser humano.

Pois, ao conectar princípios e valores, a marca irá além de um mero buzz, gerando identificação e engajamento.

Ref.: Artigo de Gabriel Dias – 14/05/2015
Adaptado por: Erivaldo Ribeiro
Juntos, podemos sempre mais!

Gostou do artigo? Compartilhe!

Avatar

Erivaldo Ribeiro é o fundador do Publicidade Viral. Empreendedor independente com foco em marketing, publicidade e empreendedorismo. Acredita que, ao compartilhar informações, está contribuindo para um mundo melhor. Temos um espaço no Facebook para nossa comunidade.

Marcado com: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.